Home Atualidades Brasil Soberania é tema central de Encontro Nacional do MAB

Soberania é tema central de Encontro Nacional do MAB

Entre os dias 2 e 5 de outubro, o Rio de Janeiro será palco de uma série de atividades e manifestações em defesa da soberania nacional. O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) realizará o seu oitavo Encontro Nacional, com ampla participação da FUP (Federação Única dos Petroleiros) e de seus sindicatos. O evento reunirá cerca de 4.000 militantes de todas as regiões do país, que estarão alojados no Sambódromo e no Terreirão do Samba, espaço que abrigará as principais atividades e debates.

O tema deste 8º Encontro Nacional do MAB – “Água e energia com soberania, distribuição da riqueza e controle popular” – sintetiza o caráter estratégico do evento, que contará com a participação das principais liderança políticas e sociais do país, que buscam reorganizar a luta contra as privatizações e os ataques aos direitos e conquistas do povo brasileiro. O evento ganha uma dimensão maior, diante do atual quadro de liquidação do Estado pelo governo Michel Temer.

“Esse tema da soberania a gente tem discutido muito com os atingidos, no sentido de defender os recurso naturais, sob controle popular. Nós entendemos que água e a energia têm que ser do patrimônio do povo e a serviço do povo. Esse é o nosso grande norteador”, explica o coordenador geral do MAB, Rogério Paulo Hohn.

Na segunda-feira, 02, antes da solenidade de abertura do Encontro, trabalhadores do campo e da cidade participam da Plenária Nacional de Luta pela Soberania que os formadores da Plataforma Operária e Camponesa da Energia realizarão pela manhã, com participação dos petroleiros, eletricitários, engenheiros e demais categorias que integram esse importante fórum. Já confirmaram presença no debate o geólogo e ex-diretor da Petrobrás, Guilherme Estrella, e o engenheiro e pesquisador da Universidade Federal do Mato Grosso, Dorival Gonçalves Jr.

Ainda na segunda, às 14h, será lançada no Clube de Engenharia a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional, com a presença de parlamentares de diferentes partidos políticos, como a deputada federal Jandira Feghali (PCdoB/RJ), o senador Lindberg Farias (PT/RJ), o senador Roberto Requião (PMDB/PR), o deputado federal Celso Pansera (PMDB/RJ), o deputado federal Glauber Braga (Psol/RJ), o deputado federal Patrus Ananias (PT/MG) e o deputado federal Wadih Damous (PT/RJ).

Na terça-feira, 03, data que marca a criação da Petrobrás, as centrais sindicais, lideranças políticas e movimentos sociais de diversas matizes se somarão aos militantes do MAB e aos petroleiros em um grande ato em defesa da soberania nacional. A atividade terá início às 11h, em frente à Eletrobras, no centro do Rio, de onde os manifestantes seguirão em caminhada para a sede da Petrobrás, onde será realizado um ato político contra as privatizações e o desmonte das estatais, com participação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O Encontro Nacional do MAB prossegue ao longo da semana, com um amplo calendário de debates, atividades culturais e mobilizações (veja a programação abaixo). O evento também abordará os impactos do crime de Mariana, desastre socio ambiental mais significativo dos últimos tempos, que afetou diferentes regiões a partir rompimento da barragem de Fundão, em Bento Rodrigues, Minas Gerais, em novembro de 2015.

“O MAB é um movimento social que tem 26 anos de história e sempre realiza seus encontros nacionais como espaço deliberativos da política da organização para os próximos anos. Esse é o 8º encontro nacional e busca reunir as famílias dos diferentes estados para discutir, principalmente, a violação de direitos humanos cometidos sobre populações atingidas por barragens”, destaca Rogério Hohn.

Após o encerramento do Encontro, os debates ainda prosseguem no final de semana (06 a 09 de outubro), com um seminário internacional que discutirá a “Transição energética para um projeto energético popular”. O tema do petróleo estará inserido nos principais debates e atividades do MAB, tendo a FUP e seus sindicatos como parceiros na construção de um modelo soberano e popular de energia.

Fonte: FUP