Home Atualidades Brasília Processado injustamente, sindicalista rejeita acordo e mostra força do movimento

Processado injustamente, sindicalista rejeita acordo e mostra força do movimento

Em defesa da liberdade sindical e em solidariedade ao secretário geral do Sindicato dos Servidores Públicos Federais no DF (Sindsep-DF), Oton Pereira Neves, alvo de perseguição ao movimento sindical, dirigentes sindicais e militantes cutistas realizaram manifestação nesta quinta-feira (17), em frente ao Fórum Desembargador José Julio Leal. O ato foi realizado durante audiência de conciliação que tratou do processo impetrado injustamente contra Oton, acusado de desobedecer a ordem legal de funcionário público (art. 330 do Código Penal) por se recusar a suspender realização de assembleia no Espaço do Servidor.

Na audiência, a Justiça ofereceu como acordo o pagamento de cinco cestas básicas, como pena alternativa. Porém, o secretário geral do Sindsep-DF recusou a proposta e alegou que a acusação não tem respaldo legal e nem político.

A partir de agora, o Ministério Público vai analisar o caso, podendo dar prosseguimento ou arquivar o processo. De acordo com a defesa de Oton, o mais provável é o arquivamento do processo, pois não há embasamento para dar continuidade ao caso.

Para o secretário geral do Sindsep, Oton Pereira Neves, é importante lutar contra esses abusos e demonstrar a força do movimento sindical. “Foi muito importante não só pra mim, mas para o movimento sindical como um todo, a participação e o apoio de cada um que esteve no fórum hoje. Estamos em um processo de criminalização da nossa atividade e impedidos de defender o trabalhador.”

Para o presidente da CUT Brasília, Rodrigo Britto, é importante reforçar a necessidade de lutar contra a criminalização do movimento sindical, que foi massificada após o golpe de Michel Temer. “A postura do companheiro Oton em não aceitar esse acordo se faz necessária para também dizer não à postura arbitrária da polícia, constantemente vista nas ruas contra os sindicatos e movimentos sociais”, declarou.

Além de recusar o acordo oferecido pela Justiça, Oton Pereira entrará com um processo contra o GDF por danos morais. “A ação truculenta da polícia de Rollemberg demonstra mais uma vez que o livre exercício da atividade sindical está em risco. O dia em que tirarem o direito do sindicalista pegar o microfone e chamar sua categoria para uma assembleia, será o fim do movimento sindical, e isso não vamos tolerar”, concluiu o dirigente sindical.

Entenda o caso
No dia 17 de junho, Oton discursava em uma assembleia dos servidores públicos federais no DF, no Espaço do Servidor, em frente ao Ministério do Planejamento, local que há mais de uma década realiza este tipo de atividade. No decorrer da fala, o dirigente sindical foi abordado por dois policiais militares que deram a ordem de suspender a atividade, alegando ilegalidade por ser proibida a utilização de carro de som em frente a prédios públicos.

Diante da abusividade da ordem, Oton deu seguimento à assembleia e, por isso, recebeu injustamente um mandado de prisão. Após prestar depoimento, o sindicalista foi liberado, porém foi autuado por desobedecer a uma ordem policial e está sendo processado por isso. A pena para o caso é de detenção, de quinze a seis meses, e multa.

Fonte: CUT Brasília