Home Campanhas Nova audiência definirá situação dos vigilantes

Nova audiência definirá situação dos vigilantes

Os vigilantes do Distrito Federal estão mais uma vez a espera da conclusão da campanha salarial de 2017. Na próxima segunda-feira (19), acontece mais uma audiência de dissídio coletivo no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), a partir das 13h30. A categoria e o sindicato rejeitam a proposta do horista nos postos de trabalho e se não houver um acordo, o presidente do Tribunal irá concluir o processo para julgamento em data que ainda não foi definida.

As reivindicações do sindicato e da categoria são a proibição da figura de horista na Convenção Coletiva de Trabalho e o pagamento do desconto dos dois dias de greve.

Antes da audiência do dia 19, a direção do Sindicato dos Vigilantes (Sindesv) e o sindicato patronal farão uma reunião na tentativa de solucionar o caso que já dura seis meses.

O presidente do Sindesv, Francisco Paulo de Quadros, pede que a categoria se mantenha firme e em unidade para que a situação seja resolvida. “Esta é uma campanha salarial atípica, pois é o resultado da crise que estamos vivendo no Brasil e vários setores do empresariado se aproveitam desse momento na tentativa de tirar direitos e conquistas. No caso dos vigilantes do DF, estamos resistindo bravamente contra todo e qualquer ataque para defender nossas reivindicações”, afirmou.

Entenda o caso:

No começo da campanha salarial de 2017, os vigilantes lutaram bravamente e através da mobilização, conquistaram o reajuste salarial de 6,58% no salário e no tíquete, manutenção das cláusulas da CCT e do plano de saúde.

Porém, o sindicato patronal colocou uma cláusula no acordo coletivo exigindo a inclusão de horistas nos postos de trabalho. A categoria insatisfeita realizou diversas assembleias e decretou greve para mostrar para os patrões que não iriam aceitar essa situação.

Desde então, várias audiências de conciliação foram realizadas, mas o sindicato patronal insiste. Por isso, na próxima audiência, o sindicato e os trabalhadores acreditam num desfecho favorável à categoria.

Fonte: CUT Brasília