Home Atualidades Coletivo de Mulheres Jornalistas promove reunião nesta terça (13)

Coletivo de Mulheres Jornalistas promove reunião nesta terça (13)

O Sindicato dos Jornalistas do DF convida todas as jornalistas para a segunda reunião de 2017 do Coletivo de Mulheres Jornalistas, que ocorrerá na terça-feira, 13/6, às 19h30, na sede da entidade. O objetivo do encontro é definir a participação do grupo nos processos de mobilizações contra as reformas trabalhista e da Previdência e a favor da saída de Michel Temer da presidência da República e da convocação de eleições diretas para presidente.

O encontro também irá discutir a participação do Coletivo em outros espaços ou articulações de mulheres no DF e avaliar a participação das jornalistas na marcha do Dia Internacional das Mulheres.

O Coletivo visa discutir questões de gênero e relações de trabalho, debater e lutar por direitos e melhores condições de vida da mulher na sociedade e, em específico, no mercado de jornalismo, já que as mulheres são maioria nas redações e assessorias de imprensa, inserir um olhar de gênero nos programas, ações e atividades do SJPDF e estimular a participação das jornalistas na entidade sindical.

Propostas do governo aprofundam as desigualdades de gênero

1)PEC do Teto

A aprovação da PEC do Teto (PEC 241 na Câmara e PEC 55 no Senado Federal), que congela os investimentos em serviços públicos, como saúde, educação e assistência social, por 20 anos, irá aprofundar ainda mais as desigualdades de gênero. Os prejuízos serão grandes quando se trata da mulher trabalhadora, visto que dados de 2015 do Cadastro Central de Empresas (Cempe) do IBGE apontam que as mulheres são maioria em setores como saúde e serviços sociais (73,3%), educação (66,6%) e alimentação (57,6%).

2)Reformas trabalhista e da Previdência

As reformas trabalhista e da Previdência irão precarizar ainda o mercado de trabalho e incentivar a terceirização. É importante lembrar que as mulheres recebem salários menores em relação aos homens e realizam as mesas tarefas. Além disso, elas acumulam funções e fazem jornadas duplas ou triplas de trabalho, levando-se em consideração que são as principais responsáveis pelo trabalho doméstico da casa. No entanto, não recebem dinheiro algum por isso e muito menos reconhecimento. As reformas ignoram ainda o fato das mulheres começarem a trabalhar mais cedo do que seus colegas homens.

Por que lutar pelas Diretas Já?

Na últimas duas semanas, a crise política do país tomou uma dimensão maior por conta da delação premiada de Joesley Batista, que revelou o envolvimento de grandes aliados do governo e do próprio presidente ilegítimo Michel Temer. Com os repetidos casos de irregularidades e corrupção que envolvem vários integrantes do Congresso Nacional, a população brasileira demonstra uma grande desconfiança em relação aos deputados e senadores. Portanto, não existe cenário favorável para votar as reformas trabalhistas e da previdência e muito menos para manter Michel Temer no poder. A luta pelo afastamento de Michel Temer e por eleições diretas para presidente se fazem necessárias para a retomada dos direitos retirados pelo governo atual e também para a manutenção dos direitos já conquistados pelos trabalhadores, que estão em risco se ocorrer a aprovação das reformas.

Serviço:

Reunião do Coletivo de Mulheres Jornalistas do SJPDF
Data: 13/6
Horário: 19h30
Local: SJPDF (SIG Quadra 2 lotes 420/430/440 – City Offices Jornalista Carlos Castello Branco – Cobertura C13).

Fonte: SJPDF