Alterações no texto da reforma da Previdência não respaldam trabalhador

Uma série de alterações no texto da reforma da Previdência foram apresentadas pelo relator da proposta, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), em sessão da comissão especial da Câmara dos Deputados, nesta quinta-feira (13). As mudanças, entretanto, não são suficientes para resguardar trabalhadores de prejuízos imensuráveis vindos através do desmonte do sistema previdenciário brasileiro.

Segundo o advogado Marcos Rogério de Souza, integrante da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD), “somente uma greve geral forte nesta sexta (14) pode garantir a aposentadoria dos trabalhadores e trabalhadoras”. “Mesmo o texto da reforma da Previdência alterado, o conteúdo é extremamente prejudicial aos trabalhadores. E mais: do jeito que está, a reforma da Previdência não passa”, garantiu o advogado.

No relatório, o deputado Samuel Moreira propõe mudanças na aposentadoria rural, no Benefício de Prestação Continuada (BPC) e na criação do regime de capitalização. Além de deixar de fora do relatório estados e municípios.

Antes de seguir ir ao plenário, o parecer do relator sobre a reforma da Previdência precisa ser votado na comissão. As datas de votação não foram definidas.

Fonte: CUT Brasília | Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Deixe um comentário:

Digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome