Dia da Visibilidade Trans | Por direitos, oportunidades, respeito e dignidade

Todos os dias surge no mercado da estética uma nova cirurgia para que homens e mulheres se enquadrem em padrões cada vez mais bizarros. Entretanto, elas ou eles que não se identificam com o gênero biológico atribuído e não se vêem pertencentes ao próprio corpo são discriminadas/os e mortas/os todos os dias.

A falta de respeito, a intolerância e a ignorância sobre o tema colocam o Brasil no primeiro lugar no ranking dos países com mais registros de homicídios contra transexuais. E na contramão dessa conjuntura assustadora, é realizado em 29 de janeiro o Dia da Visibilidade Trans.

A pauta das pessoas trans é simples: direito à saúde, educação, lazer, emprego, a constituir uma família. Temas reivindicados por todos os seres humanos, mas que parecem estar a cada dia mais distantes de serem garantidos, principalmente pelas pessoas trans, emperrados por discursos reacionários e de ódio.

Para o secretário de Políticas Sociais da CUT Brasília, Yuri Soares, o dia 29 de janeiro é um importante momento para reflexão e quebra de tabus acerca do tema. “Nesse momento em que a sociedade recua ao conservadorismo, é de suma importância compreender as especificidades dessa parcela tão oprimida da sociedade. Trata-se de um grupo que sofre com preconceito e violência diária, além da falta de oportunidades no mercado de trabalho. Por isso, precisamos dar visibilidade e lutar efetivamente para garantir respeito e oportunidades às pessoas trans”, avaliou.

No DF, a programação do Dia da Visibilidade Trans começou na sexta-feira (25) e vai até o dia 8 de fevereiro. Estão programados atos, debates, audiência pública e uma série de outras atividades que envolvem organizações políticas, a Organização das Nações Unidas (ONU), a Universidade de Brasília (UnB), a Defensoria Pública e uma série de outros atores e atrizes. Veja a programação completa no fim da matéria.

Mercado de trabalho

Impossibilitadas de acessarem seus próprios direitos, as pessoas trans ficam sujeitas à vulnerabilidade e, por falta de oportunidades no mercado de trabalho e frente à ineficiência do Estado, a maioria recorre à prostituição como forma de sobrevivência. A Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) estima que 90% das pessoas trans recorrem a essa profissão em algum momento da vida.

Um levantamento da Rede Nacional de Pessoas Trans (RedeTrans) mostra que 82% das mulheres transexuais e travestis abandonam o ensino médio entre os 14 e os 18 anos. As principais hipóteses levantadas pela pesquisa para justificar o abandono são a discriminação na escola e a falta de apoio familiar.

Sem uma legislação específica que os ampare e garanta espaço, as/os transexuais dependem de iniciativas pontuais por parte de algumas empresas. Como essas ações são quase inexistentes, um grupo de transexuais criou, em 2013, o Portal TransEmpregos. A iniciativa é o mais antigo projeto de empregabilidade para pessoas transgêneras no Brasil e conta com mais de 100 empresas parceiras.

Transexualidade não é doença

Até pouco tempo, pessoas que não se identificavam com o gênero atribuído ao nascer eram consideradas doentes mentais. Após muita peleja e inúmeras reivindicações da comunidade LGBTQ, em meados de 2018, a Organização Mundial da Saúde (OMS) deixou de reconhecer a transexualidade como um transtorno mental.

Programação Dia da Visibilidade Trans no DF

29/01: Ato de Rua “Nossa ideologia é o respeito”
Organização: Movimento Trans
Horário: das 9h às 20h
Local: Rodoviária do Plano Piloto

30/01: Ato contra a transfobia “Se plantarmos respeito, colheremos mais amor”
Organização: CODIV/SUBDH/SEJUS
Local: Parque da Cidade, estacionamento 11
Horário: das 10h às 12h

30/01: Transcidadania
Organização: Defensoria Pública do DF e Instituto Ipê
Local: SCN Quadra 01
Horário: das 15h às 18h

31/01: Ato em defesa do Ambulatório Trans
Local: 508/509 Sul
Organização: Ambulatório Trans
Horário: 13h30

01/02: Ato “Somos Nós a Resistência!”
Organização: CREAS da Diversidade e Grupo Mães pela Diversidade
Local: CREAS /SGAS II St. de Grandes Áreas Sul 615
Horário: das 14h às 18h

02/02: Curso “Desconstruindo Preconceitos”
Organização: CODIV/SUBDH/SEJUS
Local: CEU das Artes / QNM 28 da Ceilândia
Horário: 9h30 às 12h

02/02: Sarau da Visibilidade Trans
Organização: Rede Nacional de Adolescentes LGBT e Instituto LGBT+
Local: Casa de Cultura da América Latina/UnB SCS quadra 04

05/02: III Solenidade em Homenagem às Pessoas Trans
Organização: CODIV/SUBDH/SEJUS
Local: Salão Nobre do Palácio do Buriti
Horário: das 14h30 às 17h

07/02: Conferência Livre da Cidade – Temática População T
Organização: Diretoria LGBT do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos
Local: Auditório do MDH / Ed. Parque da Cidade Corporate SHCS Q. 6 BL A
Horário: 13h

08/02: Audiência Pública “Direitos da População Trans/Travesti e Combate à Transfobia”
Organização: Mandato do deputado distrital Fábio Felix (PSOL)
Local: Sala das Comissões / Câmara Legislativa do Distrito Federal
Horário: 14h

Fonte: CUT Brasília

Deixe um comentário:

Digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome