Trabalhadores dos Correios no DF mantêm estado de greve

Reunidos em assembleia nessa terça-feira (7), trabalhadores dos Correios no Distrito Federal decidiram manter o estado de greve e realizar nova assembleia com indicativo de greve no dia 14, para avaliar os rumos do movimento.

A decisão foi tomada após o Tribunal Superior do Trabalho (TST) propor a manutenção do Acordo Coletivo de Trabalho 2017/18, mais o pagamento de reajuste salarial com base na inflação.

Para a presidenta do Sintect-DF – sindicato que representa a categoria no DF –, Amanda Corcino, o despacho do TST foi uma surpresa e deve ser visto com cautela. “É o Judiciário intervindo na organização sindical. No entanto, a gente entende que, diante dos ataques da Empresa de Correios e Telégrafos (ECT), essa proposta representa avanço, preservando nossas conquistas. Mas entendemos, ainda, que é preciso buscar melhorias”, ressaltou.

Segundo a presidenta, também é preciso que haja reunião com o TST para rever a questão dos descontos do plano de saúde, já que há trabalhador pagando até 70% do benefício e mais de 14 mil ecetistas já se desligaram do plano para não arcar com o ônus.

De acordo com o secretário geral da Fentect – federação que representa os trabalhadores dos Correios –, José Rivaldo da Silva, o TST precisa ouvir os trabalhadores. “Não quero dizer que o ministro vai mudar essa situação, mas ele precisa entender a nossa situação. Se aprovamos aqui a proposta do Tribunal, de prontidão, isso vira moda. É necessário organização e preparação para esta semana sermos recebidos pelo ministro”, explicou.

Dia do Basta

Na ocasião, o presidente interino da CUT Brasília, Rodrigo Rodrigues, conclamou os trabalhadores dos Correios a fazerem parte do Dia do Basta, sexta-feira, 10 de agosto. Serão realizadas ações por todo o Brasil para dizer não à retirada de direitos e à política de desmonte das empresas públicas e estatais.

Já a deputada federal Érika Kokay (PT-DF) ressaltou o compromisso, este ano, da categoria com as eleições, para que não elejam novamente os golpistas apoiadores de Michel Temer.

Categoria conscientizada

A categoria do DF e entorno também aprovou na assembleia dessa terça-feira o desconto assistencial de 1% durante quatro meses, para manter o sindicato participativo em todas as lutas da categoria e nacionais contra a retirada de direitos e as privatizações. “É importante a conscientização da categoria para mantermos a luta”, destacou Amanda Corcino.

Fonte: CUT Brasília, com informações do Sintect-DF

Deixe um comentário:

Digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome