Em São Paulo, servidores são atacados em protesto contra reforma da previdência municipal

Trabalhadores foram alvo de forte repressão da Polícia Militar e da Guarda Civil Metropolitana durante sessão da CCJ da Câmara dos Vereadores que discutia mudanças propostas pelo prefeito da capital

Milhares de trabalhadores compareceram em frente a Câmara, alguns deles acamparam lá nesta noite. Após forte resistência dos manifestantes, A PM de São Paulo, comandada pelo governador Geraldo Alckmin e a Guarda Civil Metropolitana (GCM), a mando do prefeito João Doria, ambos do PSDB atacou com violência milhares de servidores públicos municipais que foram hoje (14) à Câmara dos Vereadores da capital paulista protestar contra o Projeto de Lei (PL 621/2016). A matéria versa sobre alterações na previdência dos servidores que vão dificultar o acesso à aposentadoria dos trabalhadores. Foi o primeiro dia em que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara passou a tratar do substitutivo.

As cenas de violência começaram ainda dentro da CCJ, no Auditório Freitas Nobre. Muitos servidores que conseguiram entrar no local gritavam em coro pedindo a retirada do projeto da pauta. Diferentes vereadores pediram para retirar a matéria de votação, ou mesmo suspender, já que o substitutivo, de 80 páginas, foi entregue nesta manhã pelo relator Caio Miranda (PSB), que deu parecer favorável à matéria.

ferido.jpg
Muitos foram atingidos por balas de borracha
Como os pedidos de adiamento ou suspensão foram vencidos, o presidente da Comissão, Aurélio Nomura (PSDB) ordenou que o relator lesse as 80 páginas da matéria. Os presentes intensificaram as manifestações e a Guarda Civil Metropolitana (GCM) passou ao ataque. No início do tumulto, pelo menos uma funcionária pública, professora, foi atingida com violência.

Os vereadores decidiram transferir a sessão para o Plenário 1º de Maio, onde o vereador João Jorge (PSDB) tentou ler o relatório de Miranda de forma acelerada, impedindo mesmo a compreensão dos presentes. Foi neste momento, que a Tropa de Choque da Polícia Militar chegou e, do lado de fora, disparou uma bateria de bombas de gás lacrimogênio. Muitos foram atingidos por balas de borracha.

Gestão sem diálogo

agressao doria.jpg
Professora agredida por força policial dentro da Câmara dos Vereadores de São Paulo
Após a dura repressão, os servidores buscaram abrigo em ruas próximas e se reagruparam na mesma avenida, um pouco distante da área do conflito. “Não tem arrego”, gritavam em coro a todo momento. Após reunidos, os trabalhadores avançaram contra a PM, que recuou. De acordo com informações de servidores presentes, após o ato de resistência, os militares abriram diálogo e aceitaram a retomada do ato, que desde o início foi pacífico.

“Estamos em frente à Câmara, onde fomos agredidos covardemente pela GCM à mando do Doria e também pela PM. Somos professores, médicos, profissionais da educação física, trabalhadores administrativos, enfermeiros, todas as categorias dos servidores municipais. Infelizmente, os trabalhadores da GCM também vão ser afetados pela reforma da previdência (municipal) mas estão do lado deles”, disse João Batista Gomes, secretário de imprensa do Sindicato dos Servidores Municipais de São Paulo, que está no ato.

Dentro da Câmara, a CCJ segue suspensa por tempo indeterminado.

Fonte: Rede Brasil Atual

Deixe um comentário:

Digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome