Após nove meses de negociações, jornalistas fecham Convenção Coletiva

Assembleia dos jornalistas realizada nesta segunda-feira (12) aprovou, sem a realização de consulta às redações, a contraproposta apresentada pelo sindicato patronal na última semana. As negociações da Convenção Coletiva de Trabalho dos Jornalistas 2016/2017 se iniciaram há nove meses e foram marcadas pela insistência dos patrões em fazer ofertas muito ruins de reajustes nas cláusulas econômicas. Os empresários também não avançaram nos acordos das reivindicações sociais da categoria. Agora, a diretoria do Sindicato dos Jornalistas do DF vai encaminhar a assinatura da CCT junto ao sindicato patronal.

Durante a assembleia, os diretores do Sindicato, como de costume, encaminharam uma proposta de realização de consulta às redações, que foi reprovada pelos jornalistas presentes. A maioria dos participantes, no entanto, escolheram a opção lançada por um jornalista da Rede Globo de não realizar a consulta e votar diretamente a proposta dos empresários.

Os jornalistas presentes também desconsideraram a possibilidade de esperar o julgamento do dissídio coletivo que estava tramitando na Justiça do Trabalho.

Reajuste salarial

A proposta aprovada pela categoria na assembleia foi apresentada pelos patrões na última quarta-feira, 7/12.  Ela prevê o reajuste salarial de 7%, sendo 6% a ser efetuado a partir da folha de pagamento do mês de janeiro de 2017, com o pagamento de retroativo desde a data-base (abril/2016). O montante referente ao retroativo será pago em três parcelas bimestrais (janeiro, março e maio de 2017). O 1% restante será pago no mês de março de 2017, sem retroatividade.

Esse é o segundo ano consecutivo que os jornalistas optam por fechar o acordo sem a reposição inflacionária. Somadas as perdas do passado (1,42%) com as deste ano (2,91%), os jornalistas terão um prejuízo de 4,33%. Durante todo o processo de negociação, o SJPDF defendeu a reposição inflacionária. “A diretoria do SJPDF entende que a proposta é aquém do que os trabalhadores merecem, no entanto, quem define o fechamento do acordo é a própria categoria”, afirma Wanderlei Pozzembom, coordenador-geral do SJPDF.

Piso Salarial e PLR

A proposta de aumento do piso salarial é de R$ 2.420 (7,7%), a partir da data-base (abril de 2016). As diferenças salariais retroativas do piso serão pagas em até 3 parcelas bimestrais (nas folhas de pagamento dos meses de janeiro, março e maio de 2017).

O teto da Participação nos Lucros e Resultados será de R$ 1.600 e o piso de 1.350. Esse benefício será pago em duas parcelas, sendo que 30% serão creditados até dia 31 de dezembro de 2016 e os 70% até 30 de junho de 2017.

Auxílio Alimentação

O auxílio-alimentação passa de R$ 260 para 280, no entanto, o aumento só será efetuado a partir do mês de março de 2017.

Confira aqui a Convenção Coletiva de Trabalho

Fonte: SJPDF

Deixe um comentário:

Digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome